• Mari Goé

Entrevista exclusiva com a banda de black metal VULTHUM

A banda VULTHUM foi formada em 2019, contando com um veterano trio do cenário black metal nacional: o vocalista Samej (Mythological Cold Towers, ex-Templum e ex-Desmodus Rothundus), o guitarrista Shammash (Guehenom, Mythological Cold Towers, Unholy Outlaw, ex-Templum) e o baixista Thorngreen (Unholy Outlaw, ex-Templum, ex-Spell Forest).


A banda denomina seu estilo como “Grim Cold Black Metal”, inspirado na escola escandinava dos anos 90.


Quem contou mais detalhes sobre o álbum "Shadowvoid" foi o guitarrista Fábio Shammash. Confiram abaixo como foi o papo!


-Fale um pouco sobre o começo da banda. Quando começou e como? Qual era a ideia?

A ideia de criar o Vulthum surgiu no final de 2019. Nossa pretensão foi de resgatar a velha essência do Black Metal da década de 90 e satisfazer nossa admiração pelas bandas que compreendiam esse período.


-Vocês lançaram o primeiro trabalho “Shadowvoid”. Como foi a produção dele? A pandemia chegou a atrapalhar o processo de vocês?

De forma alguma, inclusive ajudou nesse sentido. Aproveitamos esse período nebuloso para criar toda atmosfera que envolve o Vulthum. A produção ficou a cargo de Eric Cavalcante, guitarrista da banda Vazio. Ele captou perfeitamente a proposta da banda e o resultado foi imensamente satisfatório nós.


-A banda é calcada na velha escola do black metal escandinavo. Quais são as principais influências de vocês na hora de compor?

Buscamos inspirações de bandas que consideramos essenciais e relevantes ao estilo como Bathory, Darkthrone, Satyricon, Trelldom, Gorgorth , Immortal, Craft, Sargeist, Nehemah, etc.


-Como vocês definiriam a essência da banda?

Vulthum é uma banda de Black metal ríspido, gélido, bestial e pestilento. Uma imersão no sentimento de desgosto e na Inabilidade de construir sentimentos positivos.


-O álbum “Shadowvoid” está seguindo álbum tipo de conceito? Do que as letras estão falando?

Não há um conceito específico, no entanto, o álbum aborda temas pertinentes a essência do próprio Black Metal, tais como obscurantismo medieval, tiranias, licantropia, reinos malditos, vazio da alma e da existência, etc.



-Como tem sido a recepção do álbum por parte do público? Como está sendo o feedback da galera?

Muito positivo. Não esperávamos que “Shadownvoid” tivesse um grande alcance, isso tem sido uma grande surpresa para nós. O nosso álbum no canal do Youtube da Black Metal Promotion obteve mais de 26 mil visualizações. De qualquer forma, criamos um álbum impactante e soberbo e as pessoas reagiram bem ao absorver a sonoridade do Vulthum.


-Ainda podemos perceber as bandas de black metal nacionais sofrendo um pouco de preconceito por parte do público. Vocês chegaram a sentir com a banda?

Até o momento, não. Como citei na questão anterior, as pessoas (dentro e fora do meio black metal) reagiram positivamente com a musicalidade de “Shadowvoid”. Chegamos com uma proposta séria e profissional de executar uma música sólida e consistente da qual tentamos transmitir a aura negra e fria que o Black Metal emana, longe de falsas pretensões, choques de egos, necessidade de autoafirmação, etc, como se vê muito por ai, infelizmente.


-Quais os planos do Vulthum pra este ano?

Estamos terminando de gravar um EP, que se chamará “The Tyrant Tale” e deverá ser lançado também pela Drakkar Productions do Brasil, cuja produção também está sendo feita por Eric Cavalcante. Temos planos de realizar alguns shows. Estamos estudando possíveis propostas e logo teremos novidades quanto a isso.


-Estamos finalizando a entrevista. Gostariam de mandar algum recado pra galera?

Primeiramente, queremos agradecer pelo espaço cedido ao Vulthum. Valeu mesmo! A quem se interessar pela nossa música, estamos nas principais plataformas digitais. In darkness let us dwell!!!


Sigam a banda nas redes e plataformas:

Facebook - facebook.com/Vulthum-108078321116232

Instagram - instagram.com/vulthumbm_official

Spotify - https://open.spotify.com/artist/09eBPHsCrnkDo5qwqQDCOQ


aa43c293-5edd-4c6d-89ed-17bdf0b2ce2e.jpg