top of page
  • Foto do escritorMari Goé

Entrevista Cultt of She: banda fala sobre novo single “Life On Hard Mode”, desafios de se encaixar num gênero musical, e muito mais


-Ei pessoal, obrigado pela entrevista! Vamos começar falando sobre o início da banda. Como e quando tudo começou?

Tocamos juntos praticamente com a mesma formação há 14 anos, algo de que nos orgulhamos muito. Anos atrás, em nosso pequeno bolsão de Nova Jersey (Monmouth e Ocean County), a cena prosperava com uma variedade de estilos e sons. É contagiante e de alguma forma apelou a cada um de nós para fazer música antes mesmo de estarmos todos juntos.

No que diz respeito à nossa encarnação atual (Cultt of She), foi uma evolução gradual na descoberta do nosso som através de muita experimentação. Começamos uma banda com um nome super genérico chamado “Roulette”. Não pensamos muito no nome originalmente porque acho que não sabíamos por quanto tempo faríamos isso de forma realista. Então, durante a pandemia de COVID, o mundo fechou obviamente. Estávamos prestes a realmente encontrar nosso som. Então nos reunimos e pensamos em todas essas músicas novas que iríamos escrever e notamos que algo mudou. Nosso baterista Joe sugeriu o nome “Cultt of She” e agora estamos aqui!


-Quais bandas mais influenciaram vocês?

Temos interesses variados, mas as bandas que diríamos que são uma seção transversal do nosso som seriam Periphery, Gojira, Shinedown, Ghost e My Chemical Romance.


-Vocês lançaram sua mais nova música, “Life On Hard Mode”, vamos conversar sobre ela! Sobre o que é essa música?

No fundo, trata-se de suportar a luta. É uma mensagem edificante. Seja qual for a sua dificuldade, você pode superá-la.

A maior parte da banda é gamer em um aspecto ou outro, então vemos a vida através dessa lente. Um dia brincamos sobre nossas lutas pessoais e como parece que estamos jogando um jogo de VIDA no MODO DIFÍCIL. O nome pegou e BOOM! Temos essa faixa incrível.


-Quando se trata das letras, quais temas inspiram seus conceitos líricos?

Nosso baterista Joe e a cantora Jess escrevem a maior parte das letras. Eles gostam de coisas semelhantes, então combina muito bem.

Você notará temas recorrentes sobre a condição humana, o poder do eu, a saúde mental, o questionamento de suas crenças, o ocultismo e o paranormal.


-Que tipo de mensagem o Cultt Of She gostaria de transmitir com sua música?

Nossa mensagem é autenticidade. Se há uma coisa que sempre fomos, somos nós mesmos. Nunca tentamos dizer “ah, deveríamos nos encaixar no gênero” ou “ah, precisamos ser mais metal”. Honestamente, foda-se! Seja lá o que for ou quem você for, apenas seja você! Seja você que se sente bem. E não há problema em evoluir ou mudar. Você não é suas ideias, questione tudo. Aproveite as pequenas coisas e acredite na sua capacidade de superação.


-Na sua opinião, qual é o maior desafio que as bandas enfrentam hoje na indústria musical?

A supersaturação é um problema. Há muito “ruído” para cortar. Também temos notado uma diminuição de lugares para tocar ao vivo, pelo menos na nossa região. Fazer turnê está ficando mais caro. Existem muitos fatores. Poderíamos ter uma entrevista inteira só sobre isso.


-Seu álbum, “The Void”, foi lançado em 2020, correto? Você tem planos para o segundo?

Estamos lançando singles e não temos planos para outro álbum completo, mas estamos discutindo o lançamento de um EP para dar aos ouvintes um pouco mais de reflexão.



-Como você traçaria um paralelo entre o que a banda era há alguns anos e como é a banda hoje em dia? Como foi a evolução da banda?

Nos tornamos muito mais proficientes tecnicamente. Incorporamos alguns elementos progressivos, coisas de djenty e até black metal em nossas músicas. Também temos um “som” agora, eu acho. Você sabe, quando você pode ouvir alguns segundos de um riff e dizer, “ah, isso é o Megadeth!”. Acho que estamos realmente encontrando nosso som a tal ponto que você pode estar sentado em um bar e ouvir os primeiros segundos de nossa música e saber que é Cultt of She.

Nossa evolução tem sido lenta, mas todas as coisas boas chegam com o tempo, certo? Nossos dias como “Roulette” foram definidos um pouco mais pelo Punk e pelo Rock direto. Você pode ouvir quando começamos a girar um pouco no EP, “FIRE”. Tem uma música lá chamada “Forlorn” e a faixa título “FIRE” que realmente arrasa.


-Quais são os próximos planos da banda para este ano?

Estamos discutindo organizar algumas turnês curtas de fim de semana para o verão. Talvez alguns shows consecutivos em estados vizinhos. Um EP pode estar no horizonte. Qualquer outra coisa que nos seja oferecida, consideraremos. Adoraríamos tocar em um festival, se alguém estiver procurando, entre em contato!


-Você poderia recomendar três bandas parecidas com a sua para nossos leitores?

Esta é uma pergunta tão difícil. Nunca sabemos com quem soamos. Tipo, literalmente, ninguém nunca disse “vocês parecem ___”. Eu acho que isso é ótimo, na verdade, as pessoas gostam de nós por nós, não porque parecemos outra pessoa.

Se fôssemos recomendar 3 bandas que realmente nos inspiram e nos paralelos de alguma forma, talvez fosse Beartooth, Trivium e Periphery.


-Agora, para finalizar a entrevista, gostaria de mandar uma mensagem para seus fãs?!

Agradecemos a incrível resposta ao “Life On Hard Mode”! Nós estamos ansiosos para mostrar no que mais estamos trabalhando. Se você quiser que toquemos em sua área, tentaremos fazer com que funcione da melhor maneira possível. Por favor, entre em contato e nos informe. Você pode nos encontrar no Instagram/X/Facebook @culttofshe.


Siga a banda:

Comentarios


bottom of page