• Renan Soares

Resenha: Feuerschwanz - Memento Mori (2021)


No apagar das luzes de 2021, e um pouco mais de um ano após lançar o "Das Elfte Gebot", a banda alemã Feuerschwanz trouxe a público seu mais novo trabalho intitulado "Memento Mori", disponibilizado no último dia 30 de dezembro através da gravadora Napalm Records, sendo esse o segundo lançamento em nome do selo.


Mostrando que aproveitaram bem a pausa ocasionada pela pandemia, o Feuerschwanz trouxe no novo trabalho, assim como em seu antecessor, 11 faixas inéditas, mais um segundo CD com 7 releituras de outras músicas, sendo elas dentro e fora do Metal.


Quem conhece o grupo de longa data sabe muito do lado irreverente dos mesmos, principalmente nos clipes, e sempre levando uma temática Folk medieval, e da mesma forma tem percebido que eles tem deixado o som com um tom mais sério, tanto musicalmente enquanto na parte audiovisual, mas ainda assim sem perder a essência.


A "Untot Im Drachenboot", que foi o primeiro single liberado, é a faixa com todos os elementos conhecidos de uma música do Feuerschwanz, e também é onde o grupo mostra todo o seu bom humor e irreverência de todas as formas possíveis, sendo uma das canções mais divertidas do álbum.


Todas músicas apresentam peso, sendo a que mais se destaca nesse detalhe a "Rausch der Barbarei", que conta com a participação especial da banda Hämatom, cujo a voz cheia de drives do vocalista Nord ajuda bastante a acentuar esse peso.


"Krampus" já chama atenção por tratar da figura do "anti-noel", mas essa faixa poderia ter sido explorada melhor com uma sonoridade mais sombria (o que combina com a figura em questão) e também um pouco mais natalina (lembrando que o álbum foi lançado quase uma semana após o natal).


"Das Herz eines Drachen" se destaca por ser a única balada do álbum (pelo menos na parte autoral), um lado que não costuma ser tão explorado pela banda em trabalhos anteriores.


Certamente, um ótimo trabalho foi feito na parte autoral, sendo que mais uma vez, assim como no trabalho antecessor, o Feuerschwanz se destacou ainda mais na parte dos covers, dessa vez fazendo versões de hits internacionais, diferente do "Das Elfte Gebot" onde a maioria das releituras foram de músicas populares da Alemanha.


Das músicas que são originalmente do metal, podemos destacar a versão de "Twilight of the Thunder God", do Amon Amarth, feita completamente sem gutural nenhum, e também "Warriors Of The World United", do Manowar, que chama mais a atenção por conta do time de peso que faz participação especial, sendo eles Melissa Bonny (Ad Infinitum), Saltatio Mortis, e Thomas Winkler (ex-Gloryhammer). A versão de "Square Hammer" do Ghost ficou muito interessante também, mas nada muito diferente da original.


Mas por parte das músicas que não são de metal, o principal destaque ficaram para a "Blinding Lights", do The Weeknd, e "Dragostea Din Tei" , do O-Zone (que muitos de vocês devem conhecer por ser a música que Latino tirou a melodia de 'Festa no Apê'). Onde mais uma vez o Feuerschwanz trabalhou tão bem nos arranjos das canções que praticamente pegaram as mesmas para eles (inclusive, a segunda com certeza dará muito certo em shows).


Não comentarei especificamente as outras faixas de versões por não conhecer as originais.


Sendo assim, podemos ver o quão o nível do Feuerschwanz tem aumentado nos últimos anos, tanto em qualidade musical quanto de produção, e o "Memento Mori" é mais uma prova do quão longe essa banda pode chegar.






TRACKLIST


CD 1:


01 Memento Mori 02 Untot im Drachenboot 03 Ultima Nocte 04 Rausch de Barbarei (feat. Hämatom) 05 Krampus 06 Feuer & Schwert 07 Das Herz eines Drachen 08 Rohirrim 09 Am Galgen 10 Hannibal 11 Skaldenmet CD 2:


01 Blinding Lights 02 Warriors Of The World United (feat. Melissa Bonny, Saltatio Mortis, Thomas Winkler) 03 Twilight of the Thunder God 04 The Bad Touch 05 Dragostea Din Tei 06 Square Hammer 07 Der Graf

aa43c293-5edd-4c6d-89ed-17bdf0b2ce2e.jpg