top of page
  • Foto do escritorRenan Soares

Paul Di'anno: segundo produtor, vocalista está melhor assistido no Brasil do que na Inglaterra


A turnê de Paul Di'anno, ex-vocalista do Iron Maiden, no Brasil, mal começou e já está dando o que falar nas redes sociais. Após um show catastrófico em Fortaleza, com o setlist cortado pela metade após vários problemas técnicos, e físicos do próprio Paul, muitos olham com desconfiança para as próximas datas (que não são poucas) da tour em questão, principalmente por conta da condição de saúde que o músico se encontra.


Para quem não estar a par da situação, Paul Di'anno tem passado por diversos problemas de saúde nos últimos anos, tendo recentemente passado por um procedimento cirúrgico na perna, tendo inclusive o risco de amputa-la. Há alguns anos o cantor não realizar turnês, e atualmente se locomove com a ajuda de uma cadeira de rodas. E por conta disso, muitos questionam se estaria sendo prudente alguém na situação dele realizar uma turnê de 31 datas em menos de dois meses.


No momento em que esse texto está sendo publicado, já ocorreram as datas de Fortaleza (a mais polêmica de todas), de Recife (a qual cobrimos aqui no site), e de Salvador. E no dia de hoje (31/01), a voz dos álbuns "Iron Maiden" (1980) e "Killers" (1981) deve se apresentar em Brasília.


Após os shows de Fortaleza e Recife, o produtor Eliel Vieira, que está a frente da turnê do Paul Di'anno no Brasil, deu entrevista ao site do jornalista Igor Miranda revelando uma parte da história dos bastidores da turnê, antes de Paul chegar ao Brasil.


Segundo Eliel, Paul (que esteve sendo acompanhado pelo escritor croata Stjepan Juras, que já publicou diversos livros sobre o Iron Maiden) foi autorizado pela equipe médica que o acompanhou na Croácia para realizar essa turnê.


"As cirurgias foram bem-sucedidas, mas depois de um tempo o dinheiro levantado acabou. Como o tratamento precisava continuar, surgiu a ideia de uma turnê. A equipe médica que acompanhava Paul na Croácia não apenas ‘autorizou’ que ele fizesse a turnê, mas o incentivou a fazê-lo, diante do progresso na sua recuperação. Seria uma ótima oportunidade para tirá-lo da zona de conforto, o que é necessário no caso dele. Stjepan ficou encarregado então de agendar os shows e, já que éramos os parceiros dele no Brasil, foi natural o convite."


Segundo o produtor, os problemas começaram a ocorrer após Paul passar 9 dias em casa na Inglaterra, onde ele teria ficado em uma situação deplorável, completamente desassistido.


“Por razões que desconheço, Paul deixou a Croácia no dia 14 de janeiro e ficou 9 dias sozinho e desassistido em Londres. Quando Stjepan encontrou Paul no aeroporto de Londres em 23 de janeiro para que viessem juntos para o Brasil, Paul estava em um estado completamente deplorável, cheirando muito mal, roupas encharcadas de urina, que aparentemente não eram trocadas há dias. Seu estado estava tão catastrófico que ele foi impedido de viajar pela companhia aérea por duas vezes (na segunda e terça-feira, dias 23 e 24), o que não apenas matou o planejamento feito para que Paul tivesse três dias inteiros de descanso e ensaios no Brasil, mas criou uma tensão muito grande na cabeça de Paul sobre se a turnê aconteceria ou não. Chris Dale (ex-baixista da banda solo de Bruce Dickinson) se ofereceu a ajudar e veio com Paul para o Brasil, e eles conseguiram voar na quarta-feira (dia 25) à noite.”


Eliel também revelou que ao chegar no Brasil, a produção contratou profissionais para que pudessem trata-lo de forma integral até o fim da turnê.


“Então montamos uma operação de guerra. Alteramos os voos de São Paulo para Fortaleza (que seriam naquela mesma quinta, 26) para o dia seguinte (sexta, 27) e passamos o dia cuidando do Paul em São Paulo. Foi um pesadelo pra gente (que não tinha uma equipe apta a receber uma pessoa naquele estado) e para ele. Mas conseguimos que Paul recebesse um cateter urinário, cuidamos de sua limpeza e higiene, compramos roupas novas, uma cadeira de rodas adequada… e contratamos em Fortaleza um fisioterapeuta, uma enfermeira e um segurança bilíngue para ficarem com Paul em tempo integral até o fim da turnê.”


Ao falar do fatídico show de Fortaleza, Eliel revelou que os problemas técnicos tinham começado durante a apresentação do Noturnall (que está acompanhando Paul na turnê junto com a Electric Gypsy), e que o baterista Henrique Pucci, da Noturnall, e que está tocando também com Di'anno, quase desmaiou na bateria durante o show.


Além disso, Eliel também fez questão de ressaltar que os problema técnicos não se repetiram no show de Recife (N.R: Como alguém que presenciou o show, eu concordo com ele), e que estudam a possibilidade de realizarem um show extra em Fortaleza para compensar, dependendo da situação de Paul Di'anno até lá.


E por fim, Vieira fez questão de ressaltar que Paul está sendo muito melhor cuidado aqui no Brasil do que estaria sendo se estivesse em casa no Reino Unido, além de citar também os problema financeiros que o vocalista tem passado, e que tem dificultado o seu tratamento.


“A equipe médica que está seguindo Paul está fazendo o melhor dentro das possibilidades que existem e daquilo que Paul permite que façamos para ajudá-lo. Ele fuma há décadas e não é realista pensar que no contexto de estresse que ele enfrentou nas últimas semana ele vai simplesmente estalar os dedos e mudar seus hábitos. Mas os profissionais conseguem ajudar com algumas orientações e técnicas. Paul está acompanhando de um fisioterapeuta, uma enfermeira e um ajudante bilingue, 100% do tempo. Ele terá aqui o que tinha na Croácia e não teve no Reino Unido: cuidado médico profissional. Aliás, os EPN (especialistas em porra nenhuma) que disseram que a turnê deveria ser cancelada e que Paul deveria ir pra casa são muito inocentes. Eles imaginam o cenário de conto de fadas no qual Paul saiu de um lugar idealizado, onde ele tem toda atenção e suporte, para vir para a selva do vale-tudo. E que as contas se pagam sozinhas com um estalar de dedos. Os 9 dias que Paul passou em sua casa foram suficientes para comprometer boa parte da evolução que ele teve na Croácia. Não há mais dinheiro para que o tratamento continue até onde fui informado. Aqui, pelo menos, ele está 100% assistido por excelentes profissionais, fazendo o que ama, e recebendo valores que ajudarão a pagar suas contas."


No mais, a turnê de Paul Di'anno no Brasil segue seu curso, atualmente com mais 28 datas para ocorrer entre o fim do mês de janeiro e o início de março, e fica aqui o nosso desejo para que a mesma ocorra tudo bem, e que Paul consiga melhorar sua saúde o mais rápido possível.


Confiram a matéria completa feita pelo site do Igor Miranda aqui.




Komentar


bottom of page