top of page
  • Agência 1a1

Forceps: entrevista com um dos grandes nomes do Death Metal carioca



Nascida no ano de 2006 na cidade do Rio de Janeiro, Forceps é um dos grandes nomes do Death Metal carioca na atualidade. A banda tem na discografia três lançamentos oficiais: Corporeality (Demo 2009), Humanicide (EP 2012) e Mastering Extinction (Full 2017).


A formação atual da banda é composta por Doug Murdoch (vocal), Bruno Tavares (guitarra) e Emmanuel Iván (Bateria). Thiago Barbosa (baixo) saiu da banda recentemente.


Confira o bate-papo que tivemos com a banda recentemente.



- O Forceps é um dos grandes nomes do Death Metal carioca na atualidade. Falem brevemente sobre a trajetória da banda.

Doug: Fala pessoal, primeiramente obrigado pelo convite e parabéns pelo trabalho que fazem em divulgar o underground e a música pesada Brasileira.


O Forceps nasceu em 2006 inicialmente inspirado por bandas como Sepultura, Metallica, Pantera, Black Sabbath e depois rapidamente evoluindo para uma sonoridade mais pesada com influências de Death, Obituary, Cannibal Corpse e Deicide.


Em 2007 gravamos uma primeira single, ainda com influências diversas, em 2010 lançamos uma Demo com 3 faixas (Corporeality), e depois em 2012 lançamos o primeiro EP com 5 faixas (Humanicide) através do selo Ossuary Industries (USA), quando também houve a entrada do Manu nas bateras, esse foi um material mais maduro e trabalhado onde mostramos a nossa identidade e o som que marcaria a banda até hoje.


Durante esse período foram muitos shows pelo Brasil e mudanças de formação, com exceção dos vocais, que permanece o mesmo desde a fundação da banda. Em 2017 lançamos o primeiro full-length (Mastering Extinction) através do selo Sevared Records (USA) e Extreme sound records (BR), tivemos também a entrada do Bruno e do Thiago na banda além de um marco que foi a primeira turnê internacional com 25 shows como headliner nos Estados Unidos, de suporte para o lançamento do novo álbum.


De lá pra cá fizemos vários shows pelo Brasil de divulgação do primeiro full, em 2021 gravamos uma Single "Anthropoviral Amalgamation" e começamos a trabalhar no que será o segundo full e próximo material inédito da banda.



- Vocês anunciaram a saída do baixista Thiago Barbosa. Já existe um nome para a substituição? Ou podemos esperar que a banda se torne um power trio?

Doug: Não nos tornaremos um trio. Atualmente estamos focados na produção do próximo full, processo que já estava bastante avançado, e achamos melhor não interromper o processo, o material irá contar com 8 faixas inéditas. Estamos no momento finalizando a gravação da pré e assim que pronta vamos iniciar o processo de seleção do novo baixista.


A idéia do power-trio foi levantada, mas foi descartada pois sabemos que um dos diferenciais do nosso show é a presença de palco e o nível técnico de todos os instrumentos, portanto não queremos sacrificar nada disso.



- A banda está no processo de gravação das prés do novo trabalho. Será um full ou um EP? Sobre as características sonoras, o que podemos esperar?

Bruno: Será um full length. Quando entrei pra banda dediquei um bom tempo para tirar e executar as músicas o mais perfeito possível. Nesse processo a musicalidade e a essência do Forceps acabaram fazendo parte de mim e hoje estão no meu sangue. O som do Forceps corre em minhas veias, por isso o processo de composição está fluindo bastante e estou muito feliz com o resultado e o feedback do Manu e do Doug com relação às novas músicas. O proximo trabalho terá o som do Forceps "tradicional" e minhas influências pessoais, que trouxeram um elemento novo para o som da banda, sem perder a sonoridade e agressividades características da banda.


- Vocês participaram do Ao Vivo do Canal Scena. Como foi a gravação e para vocês, qual é a importância da mídia musical independente?

Bruno: Foi sensacional. Recebemos o convite da equipe e nos sentimos honrados em participar do programa. Não existiu nenhum ponto negativo. Todos da equipe Scena são pessoas fantásticas e excelentes profissionais, assim como o pessoal do Family Mob studios. É por isso que o Scena tem o respeito e admiração de tantas pessoas na cena nacional e merece cada vez mais! O trabalho que eles fazem na divulgação da música independente e underground é essencial, e a mídia independente tem papel fundamental em qualquer cena musical pelo mundo, vida longa ao canal!




- O clipe do single "Anthropoviral Amalgamation" foi muito bem produzido. Comentem sobre a concepção e realização do mesmo.

Doug: Pensamos num clipe que pudesse passar a essência da história e letra da música. A música retrata um cenário de pandemia extrema, num futuro não muito distante, onde o planeta é devastado por uma doença mortal extremamente agressiva e que mata rapidamente sem chances de sobrevivência, que se espalha pelo ar assim como vimos com a Covid19, e na qual existe uma cura onde somente poucos "selecionados" teriam acesso, num processo de dominação global.

A gravação se deu numa fábrica abandonada de papéis, na floresta da tijuca no Rio de Janeiro, com gravação e direção do Ramon Melo, atuação da Gersyka Kynha, concepção e roteiro por Doug, apoio e equipamento: Sid Nelson, Guilherme Fonseca e Mamute Records.



- A arte de Antropoviral é bastante forte, com uma estética bastante caprichada. Conte como se deu a escolha do artista responsável pela ilustração.

Bruno: Tanto eu como o Doug temos tatuagem com o artista Edu Nascimento. Sentimos uma sinergia com a arte dele e acreditamos que é muito proximo do estilo bio-pós-apocalíptico da banda. Por isso já sabíamos que esse trabalho seria muito bom. "Dito e feito". Lembro quando eu vi essa arte a primeira vez e tanto eu quanto todos da banda ficamos todos impressionados e muito felizes com o resultado.



- Teremos uma tour brasileira do Forceps em 2022?

Bruno: Não acredito que isso irá acontecer em 2022. Shows sim, mas tour não. Nesse momento estamos 100% focados em finalizar todas as musicas e gravar o full, além do processo de seleção do novo baixista. Mas ja adianto que em 2023, teremos muitas novidades!



- Comente um pouco como está a cena no Rio agora com a volta paulatina dos shows.

Doug: Está re-aquecendo! A galera estava cansada de ficar em casa e muita gente estava com saudades de ir para shows e eventos, esse retorno está sendo muito bom e a maioria dos eventos estão sendo com a casa cheia. Esperamos que esse momento não seja repentino e que continue crescendo, mas claro, depende muito das condições macro, mas esperamos que continue assim e crescendo cada vez mais.



- Obrigada pela atenção! Deixem suas considerações finais e uma mensagem para os leitores.

Obrigado mais uma vez pelo convite e pelo espaço, muito obrigado pelo apoio dos nosso fãs de longa data e aos novos que conheceram a banda mais recentemente.


Convidamos todos a conhecerem a nossa loja online e a seguirem nossas redes sociais para acompanhar as novidades da banda.


Grande abraço!

_canalbloodymary_edited.jpg
bottom of page