top of page
  • Foto do escritorMari Goé

Entrevista com Die Kleine (Avant-Garde) Hardchor Operette, banda suíça de metal experimental

Como você chamaria uma Opereta-Musical de classe quando tocada por uma banda de Punk-Metal apaixonada pelo Hip Hop, pelo Folk Cigano e pelo Espiritismo Expressionista? É assim que podemos lhes apresentar a banda Die Kleine (Avant-Garde) Hardchor Operette!

A banda foi formada em Zurique, Suíça, em 2020, pela renomada soprano húngara, Szabina Schnöller, e pelo punk e metaleiro sueco, Sr. Maik Pehrsson. Os amigos Wulf Bergen e Jack du'Rippha' vieram junto, ajudando com algumas linhas de baixo e bateria verdadeiramente malignas, mas lindas.


Em uma entrevista exclusiva para o Canal Bloody Mary, Szabina e Maik falaram com mais detalhes sobre todas as influências da banda, planos, e muito mais!


-Vamos começar do começo! A banda é relativamente nova, certo? Como e quando tudo começou?

Szabina (vocalista): Tudo começou em 2020, durante a pandemia quando conheci esse músico, Maik. Eu adorei a música dele e ele adorou o fato de eu ser cantora de ópera! Imediatamente começamos uma música, ‘Uma Gopala’, que era uma música muito espontânea. Estávamos ambos tão entusiasmados com a música que estávamos fazendo e ficamos convencidos de que isto se transformaria num projeto incrível!


Maik (guitarrista e tecladista): Eu estava entre Brighton, no Reino Unido, e Zurique, na Suíça, e rolou a pandemia! Então esse foi o ambiente em que este álbum começou – meio sem raízes, meio excitante, meio assustador!

 

 

-Seu som é algo único, acho avantgarde um estilo brilhante e libertário! Quais foram suas influências?

Szabina: O universo, os Budas, a vida, o amor, o sexo…! Não sei, pergunte a ele!


Maik: Clicamos nesses tópicos – luta espiritual, união e dualidade, natureza e criação, e assim por diante. Musicalmente, eu tinha acabado de tocar em uma banda de Hardcore ‘Embet Henx’ e na minha própria banda de Alt.Rock ‘Skirt’ e queria fazer algo mais pesado, mais sexy, mais teatral – e mais experimental! Quer dizer, meu coração e minha alma estão muito enraizados no Grunge e em toda a vibe ‘venha como você está’, mas esse projeto é meio o oposto disso; arte total e teatro, um circo Rock! Adorei a ideia de árias e operetas serem tocadas por algum tipo de banda de Metal de esquerda.

 

 

-Como esse é um estilo de música pouco utilizado atualmente, como você sentiu a aceitação do seu som pelo público?

Szabina: A maioria das pessoas fica chocada quando nos ouve e isso é demais para elas, porque estão tão acostumadas com toda a merda de música que existe hoje em dia: chata, mal escrita, sem nenhuma ideia original. Então, para eles, nossa música é muito nova e chocante. Mas há algumas pessoas que reconhecem imediatamente que é a melhor música de sempre, em toda a história musical! Estou brincando.


Maik: É muito interessante como as pessoas muitas vezes evitam algo que não se encaixa perfeitamente em um gênero. Conheço muitas pessoas que amam Meshuggah, Dillinger Escape Plan e Cryptopsy, outras que amam Nirvana e Soundgarden e depois outro grupo que ama Liszt, Debussy ou Strauss; mas é raro encontrar pessoas que amam música de maneira geral, que desafia o gênero e não pode ser categorizada. No entanto…! Recebemos um feedback incrível e o amor dos ouvintes, por isso estamos extremamente felizes!


Szabina: Sim, especialmente nos círculos de música clássica com os quais estou conectada, curiosamente! Eles amam totalmente o que fazemos.



-Seu primeiro álbum, “An Album (of consequential proportions)” foi lançado em 2022, fale sobre esse lançamento! Como foi todo o processo de composição e produção desse álbum?

Szabina: Foi fantástico e muito longo! Estávamos trabalhando nesse álbum há cerca de um ano, desde o início da primeira música até a fase final de masterização. Maik fez a maior parte das composições e nós dois fizemos todos os arranjos. Foi uma experiência de aprendizado, com certeza, nunca tive que gritar, rosnar ou xingar tanto quanto durante este álbum!


Maik: Sim, foi basicamente um projeto de estúdio e nós somos uma banda de estúdio. Muitas músicas foram gravadas em Brighton, no Reino Unido, quando eu ainda morava lá, os vocais foram gravados aqui em Zurique e as músicas foram enviadas para o Reino Unido para mixagem e masterização. Foi uma jornada mágica e inspiradora, mas às vezes também difícil e isolada. A composição da música veio de forma muito espontânea; por exemplo, tocamos “Shukra, Shukar!” uma tarde no violão com Szabina improvisando algumas músicas e letras em húngaro e a música estava mais ou menos escrita! A produção demorou muito mais, é claro.

 

-Pelo que você gostaria que sua música fosse lembrada?

Szabina: Por mim.


Maik: Sim, Madame Sza. Eu não faço ideia. Na verdade, não me importo, se as pessoas se lembrarem disso, isso é mais do que se poderia desejar.


Szabina: Se eles se lembrassem disso por ser estranho, ou divertido, ou bonito, ou louco, ou cativante, tudo isso seria maravilhoso, é claro.

 

 

-Vocês lançaram “A Christmas Album”, o segundo EP da banda! De onde surgiu a ideia de fazer um disco com canções natalinas? E como foi a experiência para você?

Maik: Originalmente fizemos um Christmas Medley com um vídeo em dezembro de 2020 e queríamos continuar com algo mais extenso.


Szabina: Acredite ou não, meu feriado favorito é o Natal e adoro tudo nele! Então foi minha ideia fazermos um álbum de Natal… e fizemos um vídeo sexy para ‘Santa Baby’; me cai muito bem, eu acho?!


Maik: Foi um vídeo tão divertido, rápido e barato que fizemos, demoramos um pouco para editar todos os trechos que eram muito explícitos… Fora aquela música, que é totalmente Funk, fizemos um cover de Santa Lucia em sueco, que é pura música coral, uma versão Gospel-Metal de 'O Holy Night' e uma música Punkrock Rudolph!


Szabina: Confira-nos quando o Natal de 24 se aproximar, haverá mais coisas de Christmas Opera Hardcore!



 -Você leva sua arte além da música, fazendo estampas e designs personalizados, o que é raro ver as bandas fazendo hoje em dia! Como surgiu essa ideia e quão importante é para as bandas terem uma identidade visual própria?

Maik: Tudo isso está relacionado ao nosso selo DIY “StandYourSound”, que comecei em 2008 enquanto morava em Estocolmo, Suécia. Todas as minhas bandas e músicas foram lançadas através desta espécie de ‘selo’, que também atua como uma editora interna, incluindo todas as artes e designs gráficos das bandas. Todos os nossos designs, fotos e imagens são cortesia de 'DharmaAfterDark', um pequeno coletivo de arte no qual eu e Wulf (Bass & Synths) estamos envolvidos. Quando Szabina e eu começamos a trabalhar juntos, ela se tornou uma espécie de musa, uma espécie de femme fatale artística em saltos matadores, que realmente inspirou muitas de nossas obras, como se pode ver. Adoro o aspecto visual da música, mas também quero me afastar do “visual” tradicional e esperado de certos gêneros. Então, em vez de serem sombrias, sérias e góticas, nossas imagens são muito brilhantes, levemente caricaturais, sexy e bem-humoradas.

 

-Você poderia recomendar uma banda ou artista semelhante ao seu?

Szabina: Não.


Maik: Eu poderia recomendar muitas bandas! Mas nenhum é semelhante a nós. Embora tenhamos sido abandonados no gênero de ‘Symphonic Metal’ ou em toda a coisa do Nightwish, basta ouvir rapidamente o nosso material e você perceberá que não temos nenhuma conexão com nada disso. Há muitos Beatles nas minhas composições, muitos Korn e Meshuggah nos meus riffs de guitarra, muitos Mr Bungle e Fantomas na nossa abordagem e muita influência dos grandes musicais. Então eu recomendo tudo isso!

 

-E quais são os próximos planos da banda?

Szabina: Para se tornar a banda mais famosa de todos os tempos.


Maik: E dominar as paradas pop em todos os países, nos próximos anos!

Szabina: Na verdade, recentemente lançamos nosso single duplo, covers de 'My Boy Lollipop' e 'Since I Don't Have You', então estamos promovendo isso e gravaremos um vídeo para 'My Boy Lollipop' em breve.


Maik: Sim! Esse Maxi-single está disponível em nossa página e no Spotify, então dê uma olhada. E, mais importante, estamos finalmente começando a trabalhar em nosso próximo álbum completo. Que está definido para ser uma extravagância épica de 18 faixas. Espero que não seja tão ruim!

 

 

-Muito obrigado pela entrevista! Gostaria de deixar uma mensagem para os leitores brasileiros?

Szabina: Adoraríamos ir ao Brasil! E fazer muitos shows enormes! Seria realmente um sonho para mim visitar o Brasil e ainda mais um sonho me apresentar lá.


Maik: Nunca fui, mas sempre quis visitar o Brasil. O Brasil sempre teve uma atitude tão aberta e amorosa em relação ao Metal, Rock, Punk, música alternativa – é fantástico! Muito mais do que aqui na Europa, ou pelo menos na maior parte da Europa. E um país tão fascinante de qualquer maneira, então, claro, sim! Estamos prontos para ir ao Brasil, seria incrível!


Acompanhe a banda online:

Comments


bottom of page