top of page
  • Foto do escritorMari Goé

Entrevista com Ari Joshua, guitarrista e compositor norte-americano de jazz rock psicodélico

Durante anos, o guitarrista e compositor xamanista Ari Joshua tem sido um daqueles músicos que aqueles que conhecem elogiam, mas permanecem fora do radar do público. Lutas com abuso de substâncias, um grave acidente de carro, o compromisso de Ari com a educação musical com a escola de sucesso que fundou, The Music Factory, e a difícil tarefa de mixar o mantiveram em um padrão de retenção criativo!


Lançando seu mais novo single, "Elephant Walk" em parceria com Billy Martin e John Medeski, a sonoridade de seus trabalhos e fluida, marcante e profunda, feita sob a sensibilidade de um músico que enxerga além da alma das pessoas!


Em uma entrevista exclusiva com o Canal Bloody Mary, Ari falou mais sobre seus últimos lançamentos, a construção da sonoridade de suas músicas e muito mais!


– Vamos começar apresentando a banda ao público brasileiro! Como, quando e onde a banda começou?

Olá, Ola, Oi, para Elephant Walk e Country Stroll a formação aqui é Billy Martin na bateria e percussão e John Medeski no órgão, piano, Optigon, Rhodes e muito mais. Essas gravações são da primeira vez que estivemos juntos.

 

– E quem são suas maiores influências musicais naquela época e hoje?

Hoje em dia sou mais influenciado pela vida, pelas pessoas com quem convivo todos os dias, mas vendo as crianças crescerem e pensando em maneiras de me conectar com outras pessoas através das artes. De certa forma, sou influenciado por artistas visuais como Alex Grey, Allison Grey, Mark Henson, Android Jones, Burgundy Viscosi e por poetas, matemáticos e filósofos. Na verdade, musicalmente, estou tentando não ser influenciado e tentando encontrar minha própria voz expressiva.

 

-Quando se trata do espírito da banda, qual é a essência do Ari Joshua? Você gostaria que suas músicas fossem lembradas por quê?

Eu espero que haja um som ou uma vibração que as pessoas possam captar. Espero que as pessoas possam ouvir a atenção que dedico aos detalhes e possam ter uma noção do tempo gasto nesses trabalhos. Há também a vida vivida e o lugar de onde ela vem que faz parte de tudo. Espero poder compartilhar essas coisas. Acho que a essência é a paz e o amor com a aceitação das trevas e a compreensão do equilíbrio de ambos. Há um respeito pelos mestres que vieram antes e uma compreensão de que, se eu conseguir acessar as mesmas frequências que eles, posso encontrar minha própria voz, que faz parte da evolução. Essa é a esperança que eu diria. O espírito está vivo e quer ser ouvido, sem dúvida.

 

– Vocês lançaram o álbum “Meeting Of The Minds” em fevereiro de 2023, como foi a produção desse segundo álbum?

Não tenho certeza se chamaria isso de álbum ainda. Embora quando o suficiente da música for lançada, eles serão compilados em um disco, sem dúvida. Esse é o plano. Estou lançando músicas de uma ampla variedade de sessões de gravação e compartilhando-as à medida que são finalizadas e o trabalho artístico é compilado. É um pouco diferente do modelo padrão, mas, como diz Einstein, é preciso tentar coisas diferentes em momentos diferentes para encontrar resultados diferentes.

 

-E também, qual a diferença entre esse conjunto de músicas e um álbum como “RAAR”?

RAaR que significa Ray Ari e Russ, era uma sigla, tem mais over dubs e é mais psicodélico de certa forma. Ray e Russ são da banda de Trey Anastasio e eu sou um grande fã dessas coisas. Eles são músicos diferentes de John e Billy. John e Billy são realmente abertos, quase mais jazzísticos, mais selvagens e imprevisíveis de uma forma bonita. Ray e Russ estão no bolso. Ray também é muito selvagem. Sou muito abençoado por ter tido a oportunidade de trabalhar com ambas as unidades. No que eles são, quero dizer, ambos têm milhares de horas no palco e no estúdio tocando juntos. Acho que é uma coisa que me atrai. Marco Benevento e Joe Russo eram a mesma coisa e espero lançar algumas dessas gravações em breve. É tudo diferente mas é como uma família, se você tem 5 filhos você ama todos eles. É um pouco assim. Eu amo tudo isso.

 

- No Natal vocês lançaram o novo single “Flask”, vamos conversar sobre isso! Como foi a composição dessa música e por que vocês escolheram o Natal como data de lançamento?

Flask é uma odisséia pela composição, ou seja, suas múltiplas páginas de música escrita. Se você não tiver as páginas, quase não há como segui-las. A música é uma jornada enorme com miniseções, e ela flui e diminui. Adoro escrever assim, mas é preciso muito trabalho para construir uma banda que possa tocar essa música. De certa forma, é como cálculo ou álgebra versus matemática. Quero dizer, para mim é quase mais fácil compor e tocar músicas assim. É raro encontrar bandas que consigam hackear, mas Space Owl é uma banda que o fez. Nós nos encontramos uma vez por semana durante alguns anos e tocamos regionalmente e dominamos muitas das minhas músicas mais zappa ou phishing. Sonho em encontrar gatos que explorem essa música. Lancei ela no Natal porque esse é o meu presente para mim e para o mundo. Eu queria fazer uma oferta nobre, olha só, é algo que você quer ouvir do início ao fim.



– Quais são os próximos planos da banda? O que os fãs podem esperar em 2024?

Espero lançar 2 músicas por mês em 24’ e em 2025 e 2026 começar a prensar vinis e vender coleções como álbuns. Eu realmente quero atrair mais ouvintes este ano. Vou experimentar maneiras de construir isso. Uma base que busca o tipo de conteúdo que posso fazer. Eu também, como sempre, estou focado na minha escola de música. Oferecemos aulas de música de todos os níveis e estilos, você pode se inscrever online ou pessoalmente. Inscrever-se em aulas com um de nossos professores é a melhor maneira de apoiar a causa enquanto aprende algo que você adora www.musicfactorynw.com. Você encontrará atualizações e formas de apoiar comprando partituras ou mídia digital em www.arijoshua.com.

 

– Como você vê a cena independente em geral? Quais desafios você tem que enfrentar como artista hoje em dia?

Os desafios são talvez maiores do que em qualquer outro setor. Eu poderia continuar para sempre sobre isso. Eu gostaria de poder conseguir algum dinheiro inicial do mundo da música e tentar consertar isso. Acho que estamos em tempos difíceis quando as artes são reprimidas como estão sendo. As pessoas não percebem, estão muito ocupadas com seus telefones e com a mídia, mas pergunte-se quem está lucrando com isso. Não consigo me lembrar de uma época na história em que tantas pessoas estivessem tão desesperadas para serem vistas que as pessoas que realmente deveriam ser vistas não conseguissem acompanhar tão facilmente. Porém, há vantagens, quero dizer, posso alcançar o outro lado do mundo da minha cama. Aqui estou eu dando uma entrevista para uma revista no Brasil. Se você conseguir chegar a um certo ponto, há potencial para realmente ter mais controle sobre seu próprio destino.

 

-Antes de finalizar, gostaria que você recomendasse três artistas/bandas semelhantes à sua aos leitores do site! Pode ser a banda de um amigo ou uma banda nova que você descobriu, você decide!

Confiram John Medeski, Billy Martin, sua banda MMW, e confira The Trey Anastasio Band, confira Bill Frisell, e confira meu catálogo de músicas, são cerca de 150 músicas agora. Confira o LaMP Trio composto por Russ Lawton e Ray Paczkowski do TAB com o grande guitarrista Scott Metzger. Scott toca com meus amigos Marco Benevento e Joe Russo, e aquela banda LaMP segue uma linha semelhante ao RAaR. Também recomendo ouvir lendas do jazz. Miles Davis e qualquer pessoa do ramo. Também tem o The Guitar Trio, sexta à noite em São Francisco.

 

-Para finalizar a entrevista, gostaria de mandar uma mensagem ao público brasileiro?

Olá Brasil! Eu adoraria tocar para vocês entrarem em contato comigo, adoraria ir ao seu festival, clubes de jazz ou locais de música, também adoraria ensinar ou fazer parte de uma clínica ou master class ou visitar suas escolas de música! Vocês podem acessar www.arijoshua.com, também não esqueça que você pode se inscrever para aulas em www.musicfactorynw.com.

 

Muito Amor e muita Música!



Comments


bottom of page