top of page
  • Foto do escritorMari Goé

Em novo álbum, DFront SA traz a dor em perspectiva e entrega deathcore ainda mais indigesto


“Forte Teor Da Dor” é o terceiro álbum da banda carioca e foi lançado em CD pela Voice Music e para todas as plataformas digitais

Talvez a primazia artística esteja diretamente relacionada ao quanto de subjetividade há numa obra. Afinal, expor-se, despir-se, exige não só muita coragem, como também verdade. E essas são exatamente as distinções de “Forte Teor Da Dor”, novo álbum do DFront SA.

O grupo carioca formado por Silvio Guerra (vocal), Nathan Klak (guitarra), Gláucio Magalhães (baixo) e Magno Nascimento (bateria) está há 13 anos na estrada e “Forte Teor Da Dor”, que acabou de ser lançado em CD pela Voice Music e para todas as plataformas digitais, é seu terceiro álbum, sucessor dos elogiados “Do céu ao inferno” de 2016 e “Ceifado” de 2021.

Em “Forte Teor Da Dor” o DFront SA entrega seu já característico deathcore, agora ainda mais indigesto dado justamente a forma particular com que a banda explorou o tema da dor: grande parte das músicas foram inspiradas em fatos reais vividas pela experiência médica em UTI do vocalista Silvio Guerra, que também é médico cardiologista e esteve trabalhando na linha de frente durante a pandemia de Covid19. “Nossa proposta para o álbum novo era clara desde sua concepção: explorar os diferentes tipos de sofrimento que os anos recentes nos trouxeram”, conta o vocalista Silvio Guerra. “Fizemos isso sob diferentes perspectivas, primeiro no próprio âmbito de saúde, mas também de sentimentos, perdas físicas e sociais. Não diria que o trabalho é conceitual, porém há uma espinha dorsal que conecta as músicas, estabelecendo começo, meio e fim. Trabalhar em UTI e vivenciar o pior cenário possível de múltiplos óbitos, desesperança e medo que a Covid19 trouxe, foi uma experiência brutal. Convivíamos com aflição e dor diariamente e quando decidimos nos debruçar no assunto para exorcizar esses demônios e transformá-los em música, todo o processo foi catártico e terapêutico.”

Ainda segundo Silvio, a referência da dor não se limitou às letras do álbum, mas toda atmosfera sonora e estética notabilizam o tema. “Forte Teor da Dor não se exime de escrutinar a mais profunda depressão e transformar em arte o sentimento genuíno de tristeza, revolta e ardor. O resultado é um trabalho de muito peso, violento nos detalhes e visceral em sua essência.”

“Forte Teor da Dor” foi produzido pelo guitarrista Nathan Klak e reúne dez faixas: “Cura”, “Agonia”, “Severo”, “Lágrimas”, “Um Segundo”, “Punição”, “Rastro de Culpa”, “Discórdia”, “Fim do Mundo” e “Pandora”. A capa do álbum é assinada pelo renomado artista Rômulo Dias (Edu Falaschi, Shaman, Medjay, etc).

“Cura” ganhou um videoclipe: https://youtu.be/_XGU5mUKpQo

Para ouvir “Forte Teor da Dor” nas plataformas digitais, acesse: Spotify: https://bit.ly/3D4Gf3i Deezer: https://bit.ly/3OhFx9v iMusic: https://bit.ly/3D5PeBd Amazon: https://bit.ly/46Ia2MD Youtube: https://bit.ly/3pEmX1H

A edição física em CD de “Forte Teor da Dor” lançado pela Voice Music, está disponível nas principais lojas especializadas, entre elas a Black Rock Store: https://blackrockstore.com.br/produto/cd-dfronts-forte-teor-da-dor/

Comments


bottom of page