• Mari Goé

Ailton Neto: "Resolvi deixar essas músicas como um registro mesmo do que eu sentia no momento"

O músico recifense Ailton Neto, vocalista da banda SunDiamond , lançou seu novo álbum, “Música Cura”, mais um projeto de sua carreira solo.


Confiram como foi a entrevista exclusiva ao Canal Bloody Mary, onde Ailton falou com mais detalhes sobre o novo álbum, sobre a experiência de gravar a trilha sonora de um jogo, dicas de composição, e mais!



-Primeiro, obrigada pela entrevista! Queria começar com você contando um pouco sobre sua trajetória na música!


AN: Eae! Agradeço demais pela entrevista também! Bom, pra mim tudo começa lááá no princípio mesmo, eu com meus poucos anos de idade e minha mãe colocando música clássica e pop italiano pra eu ouvir, lembro de ser meu primeiro contato com música. Sempre gostei de cantarolar as melodias, acho muito divertido. Lembro também de gostar dos Mamonas Assassinas, eles se apresentavam muito na televisão fantasiados de coelho, onça, girafa, eram caras muito divertidos. Mas foi lá pros meus 10 anos, por aí, que eu começo a criar meu próprio gosto pelo Rock e Metal mesmo, sempre quando eu estava indo ao colégio, eu costumava ouvir rádio e, na época, sempre tocava Linkin Park por lá, foi um momento muito marcante, tão marcante que até me lembro de ser chamado atenção na escola por ficar cantando as músicas deles na aula, e olha que eu sempre fui um aluno nerdão que prestava atenção na aula e me dedicava muito. Desde então nunca parei de ouvir rock e hoje trabalho com isso, tenho minha banda também (Sun Diamond) e estou sempre compondo/criando música com essa roupagem de Rock/Metal.


-Ano passado você lançou seu álbum solo “Música Cura”. Como foi a produção dele, quando e como tudo começou?


AN: Foi um processo muito puro e inocente, estava eu fazendo minhas Lives de música na Twitch.tv com a rapaziada que me acompanha e me surgiu a ideia de fazer músicas em português, algo solo mesmo, sem vínculo com a Sun Diamond. O processo criativo foi acontecendo naturalmente e o pessoal também colaborou com trechos de violão, algumas ideias de guitarra também, vozes, solos, MIDI e muito mais. É um trabalho que me orgulho muito em ter feito, mais pela expressão mesmo, eu senti que precisava fazer isso na época em que estávamos em plena pandemia do Covid-19, não sabia o que poderia acontecer e resolvi deixar essas músicas como um registro mesmo do que eu sentia no momento e as coisas que eu queria falar. Temos no Música Cura músicas mais tranquilas e brincalhonas à músicas mais densas e sérias.


-Já há alguns anos você tem divulgado seu trabalho em plataformas como YouTube e Twitch. Como tem sido a recepção do público dessas plataformas perante a sua arte? Tem ajudado na promoção dos seus trabalhos solo e com a Sun Diamond?


AN: Com certeza! Comecei a jornada em ambos em fevereiro de 2017, sempre com altos e baixos, uma hora fazendo mais conteúdo no Youtube outra hora focado mais na Twitch, mas são dois formatos que me agradam muito, adoro meus vídeos mais produzidos do Youtube e minhas Lives espontâneas na Twitch. Me ajudam demais à conhecer e me conectar a novas pessoas assim como a promover meu trabalho musical/artístico. Sou muito grato às pessoas com quem me conecto.


-Você também lançou uma trilha sonora para o jogo Memória Espectral. Como surgiu essa ideia e como foi a experiência?


AN: Isso aí foi muito massa kkkkk. Eu tenho um amigo chamado Eduardo que é super ligado à cultura dos jogos aqui na minha cidade (Recife) e eu comentei com ele antes de participar da criação do jogo Memória Espectral que gostaria de me aventurar como compositor para jogos, sempre gostei de jogos e fiquei curioso em como seria a experiência. Lá pro final de 2018 ele me convidou pra uma GameJam produzida pela NoordGames aqui na cidade e eu topei na hora, o jogo é um shooter em terceira pessoa tipo Gladius e tem como tema a invasão holandesa aqui na nossa cidade. As músicas foram feitas no meu notebook usando apenas captação de voz como som analógico e muitos bancos de som MIDI pra orquestrar e criar as ambiências, usei muitos ritmos como frevo e maracatu como inspiração para a trilha, assim como o jazz e o rock. Foi sensacional!


-Quais são as suas principais influências na composição?


AN: Eu diria que a forma que eu componho é bem peculiar, vai depender do momento, mas posso dizer que minhas grandes influências pra composição são: Andre Matos, Alter Bridge, Black Veil Brides, Rise Against, e bandas/artistas nessas linhas de raciocínio.


-E qual dica você daria para aqueles que querem se dedicar a composição e música solo?


AN: Composição também é treino e vivência, aconselho vocês a sempre estarem criando/compondo, seja cantarolando uma melodia, escrevendo uma letra/reflexão, tocando algo no violão/teclado. Começa simples mesmo e depois vai aperfeiçoando. O importante é curtir o processo. Estudar teoria musical ajuda muito também, conhecer escalas, modos gregos, testar acordes diferentes, harmonias, sonoridades e timbres, etc...


-Quais os planos para 2022?


AN: Quero lançar músicas novas com a Sun Diamond, estou com saudades. Sobre algo solo, hmmm, quem sabe eu não lance algum single solo em português também? Vamos acompanhar as cenas dos próximos capítulos kkkkk.


-Como você definiria a essência de “Música Cura”?


AN: Literalmente: Música Cura.


-Estamos finalizando a entrevista! Gostaria de mandar algum recado para os fãs?


AN: Rapaziada! Muito obrigado por acompanharem a entrevista até aqui! Me sigam nas minhas redes pra gente se conectar ainda mais! Lembrando que sexta-feira às 12h tem vídeos novos lá no canal do Youtube e eu estou sempre fazendo Lives na Twitch pelo período da manhã! Vamos juntos nessa jornada! Valeu! xD


Sigam o Ailton nas redes e plataformas:

Instagram: https://www.instagram.com/ailtoneto_/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC6cKj4fZMZbkBGVkK9VF80w

Twitch: https://www.twitch.tv/ailton_neto

Spotify: https://open.spotify.com/artist/46auPhbcmzqVh10sfJYRTJ

_canalbloodymary_edited.jpg